domingo, 19 de agosto de 2018

Harbor - Exatamente onde devo está.

Capítulo Anterior: Harbor - Nova Temporada

Olhei o porto e percebi que ele estava exatamente como havia deixado há 2 anos atrás. 

Em Waking Up, eu cheguei a conclusão que não queria ser mais porto, que queria ser navio. E cair no oceano naufraga e sozinha. Fui descobrir qual era minha missão na terra, fui descobrir o mundo, aprendi a importância dos portos, a trabalhar os pontos de saúde e destrui as relações adoecidas, demoli uma casa, construi pontes novas, derrubei muros e sabia exatamente quem eu era agora: Uma Sílfio que não sabe metade das coisas que realmente sabe. 

Desci e fui olhar o porto mais de perto, "você está acabado, amigo" pensei subindo e caminhando por ele. A madeira estava úmida, como se ele ficasse submerso no mar, tinha alguns buracos e estava cheio de limo. Me abaixei e coloquei minhas mãos na madeira úmida e cheia de limo, nada senti, era como se não fosse o mesmo porto que eu cuidava tempos atrás, eu não senti a energia, e nem nada diferente, "é só madeira fria" pensei atordoada e confusa. O mar estava revolto, mas o porto parecia não se importar, ele continuava firme, frio e cheio de limo. 

R: Estou atrapalhando alguma técnica indu para sentir portos desativados? - Eu dei um pulo e virei rapidamente. Era Raabe, meu acompanhante, estava diferente das outras vezes de quando o vi, ele era um anjo. 
L: Raabe? Você... Você é um anjo? - Falei não acreditando no que estava vendo, ele tinha grande asas brancas e é como se existisse uma luz ao seu redor. 
R: Claro que eu sou, e você sabe disso, não, é?! Você só nunca tinha me visto na forma de anjo. - Isso era verdade, sempre que o vi, ele estava com aquele casaco cinza de capuz. - Então, o porto, bom lugar para voltar, não?! - Raabe falou com um sorriso amarelo no rosto. 
L: É? Não sei, parece que seu sorrisinho amarelo sabe melhor sobre isso do que eu mesma... - Neste momento, Raabe se aproximou de mim, colocou o braço direito sobre meu ombros e foi me conduzindo para areia. 
R: Lara, qual sua missão no mundo? - Raabe começou a fazer a pergunta com um tom de obviedade, que já sabia todas as respostas, mas que eu precisava aprender algo. 
L: Ahhhh, qual é?! Diz logo porque minha mente me trouxe para cá, sem jogos, ou lições, eu tenho projetos, e está no porto não está neles. - Disse tirando o braço de Raabe sobre meus ombros e parando de frente para ele. 
R: Porque é aqui exatamente onde deve está. - Raabe falou apontando para o porto. 
L: Mas porquê? 
R: Porque você ama esse lugar, Lara, muito. Ele faz parte de quem você é. Da sua essência. 
L: Não, eu abri mão dele, eu o abandonei, escolhi seguir em frente sem ele. 
R: Nossa, como você é burra! Quando vai entender a força e poder que tem? Você não consegue abandonar algo que é seu, que faz parte da sua essência, você pode fugir o quanto quiser, pode não querer aceitar, mas isso faz parte de você, é o que você é! - Raabe falou olhando para meu olhos e eu comecei a chorar. - Não adianta o quanto você lute, essa é sua missão na terra, você veio para ser porto, para cuidar de navios, para chegar em navios que ninguém nunca vai chegar... Se posicione, você voltou para cá porque essa era a hora de voltar... - As palavras de Raabe invadiram meu peito como um soco e eu senti o peso da verdade nelas.
L: E se eu não quiser voltar, e se eu não quiser está mais aqui? - Falei tentando ter o controle da situação.
R: Ele manda te dizer que quer fazer maravilhas, que não se tem mais tempo de não fazer a obra, você escolheu ele, me dê sua mochila, dentro dela tem todas as áreas da sua vida, cuide das coisas dele, ele cuida das suas, todas as outras serão acrescentada, hora de reformar o porto, eu estarei todos os dias aqui com você, afinal, sou seu acompanhante... Lara, o Sabotador quando souber vai atrás de nós, ele vai odiar saber sobre o trabalho que vamos fazer aqui, eu preciso de todo o sua força, não vamos perder essa batalha. - Raabe falou pegando no meu rosto com um medo no olhar de quem já viu muitas batalhas perdidas. 

Nós abraçamos

L: Diga ao Cara da Roda Gigante que não sei porque estou aqui, se vou conseguir reformar esse porto, se estou pronta mesmo para cuidar de navios e se vou sobreviver a isso tudo, mas eis me aqui! - Falei fazendo reverencia e dando um sorriso de nervoso - Diga a ele para não demorar de vim me ver, nunca mais nós falamos... 
R: Pode deixar, todos os recados serão dados e conte comigo. - Raabe me abraçou mais uma vez e eu sentir uma paz que excede todo o entendimento. 

Raabe me deixou uma caixa com muitas coisas para reformar o porto, pregos, martelos e até cerrote, mas o que eu gostei mesmo, foi a caixinha de som e um mp3 escrito "Pink Floyd" de caneta rosa. "O Raabe sabe do que eu gosto" pensei e liguei a caixinha no último volume, ouvir a introdução de "Shine On You Crazy Diamond" e me senti em casa outra vez. 

 Continua...

sábado, 4 de agosto de 2018

Vale a Nota: NAAAAAAAAAÃAAAAAAO

Gente, já quero deixar registrado no inicio desse post, que eu estava me rasgando para fazer um Vale a Nota aqui. Eu gosto da Tag, gosto do que eu escrevo nela, aqui é muito Larissa fazendo Larices, sabe?! Geralmente, consigo fazer um compilado de um monte de coisa que anda acontecendo ou é tudo silogismo mesmo, mas né, esse mundo aqui é meu, então, whatever #PAS 

1° Nota: Como eu cheguei até aqui... 


Váriaaaaasss pessoas vieram me questionar "Ué, Lara, cê não voltou a escrever? Não vai postar todo dia, não?" e a resposta é NAAAAAAAAAÃOOOOOOOOO. Obvio que não, claro que não, é logico que não
Gente, eu acordo 4 da manhã - Sou muito milagreira do amanhã, cara -, as 6 eu já estou na academia - Vou falar sobre isso logo aí embaixo -, as 8 já estou cuidando de 30 pessoas #GestãodePessoasÉVida, as 17 eu preciso pegar um bebê de 9 anos na escola, depois das 18 eu ainda preciso: Cozinha, cuidar da casa, dar atenção ao bebê, estudar inglês, ver seriados - Vai ter um post só sobre isso, porque eu nunca parei de ser viciada! -, ter um momento de reflexão e gratidão sobre o meu dia e tentar descansar, no mínimo, 6 horas essa matéria linda que vos escreve... Aí, queria convidar vocês a vim com a Tia aqui, sentar 5 minutos, refletir sobre meu dia e me responder COMO EU VOU ESCREVER TODO DIA??? Só se for em espírito e em verdade, porque né, com minha atual vida, não dar, eu até gostaria muito, actually, eu adoraria viver disso para sempre e para todo sempre, mas ainda não vivo, então, vamu acompanhar a disponibilidade da vida, organizar na agenda - Ex: Esse final de semana me organizei para escrever 5 post para serem liberados durante a semana, vou conseguir? Jamais saberemos -, tentar priorizar, afinal, é algo que eu gosto pra caramba #EscreverÉVida, mas né, a mãe solteira aqui precisa trabalhar e colocar comida dentro de casa, e infelizmente o meu hobby não me dar isso. 
Juro juradinho que vai chegar um dia que aqui vai ter post todo dia, meu Intsgram vai ser bombado e vocês ainda vão me xingar no twitter, enquanto tudo isso não acontece, agradeço a compreensão e volte sempre =** 

2° Nota: Eu acho que vi um Instagram de nudes passando... 

Se me cobram no blog, imagina no Instagram!!! Vou tentar contextualizar meu Instagram aqui, porque tem gente, ainda, que me segue lá e não entende nada do que acontece. 
Vamu lá, depois de todo processo de separação e autoconhecimento, eu descobri que eu amo ser mulher, e que eu amo muito as mulheres!!! "Ué, Lara, eu sempre soube, tu é sapatão!!!" NAAAAAAAAAÃAAAAAAAO!!!! Eu não sou sapatão! #PrimeiroTabuQuebrado "Mas Lara, cê tem cabelo curto, posta um monte de mulher pelada, tem um jeitão assim, que ó, você é sapatão!" Gente, eu até gostaria, já peguei meninas, já parei em um motel com uma, e não rolou, homens são como meu calcanhar de Aquiles, é uma parada muito louca, de barba, de macho alfa, de pegada - Pera, fiquei molhada HAHAHAHAHAH - e não, eu não sou gay - Nada contra, tenho até amigos que são (Desculpa, tive que fazer essa piada #LaraSemLimites) -. Eu só admiro nós. Nossa força. Essa coisa louca de ser mulher, mãe, filha, dona de casa, mulher de negócios, esposa, e ainda, ter sua individualidade. Meu Instagram é sobre mulheres, sobre quem somos sem nenhuma maquiagem, sobre se sentir bem sendo mulher, afinal, sabemos que nascer mulher no mundo de hoje é já virar estatística, e isso não tem a ver com a militância do Feminismo - E eu nem curto a militância -, tem a ver com quem nós somos, sem os rótulos, sem essa coisa de ser super heroína, ser ser a vítima, é só com o que acontece com a gente aqui dentro, eu estimulo o seu empoderamento, sua autoestima, mas não para ninguém, não para o cara que está do seu lado, NAAAAAAAAAAÃOOOOO, é para você mesma, para nós mulheres nos amarmos e nós aceitarmos mais, É SÓ ISSO ,GENTEEEEE. Não sou gay, não sou maluca - Tá, tudo bem, talvez seja um pouco -, não quero postar nudes para homem nenhum - E dá uma olhada nos seguidores, meu público é muito feminino #Amém -
AAAAAAAAAAAAAAAh, e outra coisinha, tinha uma conta maravilhosa desde 2014, com milhões de fotos, seguidor pra caralho que interagiam bastante e foram lá e denunciaram a bagaça, perdi meu Instagram que tinha fotos que eu nunca mais vou ter na vida, então, se não gosta do conteúdo, se acha maluquice, se acha que eu não agrego... PARA DE SEGUIR, SEU DEMONIIIO, NÃO VENHA DESCER PARA O PLAY PARA DESTRUIR A BRINCADEIRA DOS OUTROS, SER VOCÊ NÃO DIVA, NÃO VENHA ME DISVAR! Só uma mensagem de #PAS e reflexão. 

3° Nota: ACADEMIIIIAAAAAA, NAAAAAAAÃOOOOOO! - Ou talvez sim! - 
Todo mundo sabe aqui que essa parada de fitness me incomoda muito. Primeiro que, BOCA FOI FEITA PARA COMER! Segundo, que academia é coisa de gente retardada que fica fazendo selfie e postando coisa com hastagTreino, ninguém agrega em nada, pessoas que tem adoração pelo corpo e... NAAAAAAAAAAÃOOOOOOOO! É TUDO MENTIRAAAAA! 
Eu não sei qual foi o trauma do meu passado - Mas ele existe aí - que garrei um ranço de academia, não conseguia me ver em uma, não consigo me ver querendo mudar meu corpo - Eu construir uma mente muito sólida sobre meu corpo, afinal, sempre fui gorda -, fazendo social com aquelas pessoas fúteis que só liga para esteriótipos e imagem... Até o dia que minha terapeuta passou uma receita médica para mim, nela tinha "Entre em uma academia urgenteeeee!" Achei ela bem afrontosa, sabendo que eu odiava aquele lugar, mas sou muito obediente e me matriculei - Na verdade, tudo isso tinha a ver com umas oscilações de humor que eu estava tendo e ela sugeriu a academia para tratar isso -... E ESTOU AMANDO! 
As pessoas são tão legais lá, elas são tão gentis, os professores MARAVILHOSOS, divertidos, as aulas cheia de amorzinho, com coisas citadas pelos professores como "abrace seu corpo e diga o quanto ama ele" ou "levante as mãos para os céus e agradeça por mais um dia" - GENTE FICO DESEQUILIBRADA COM ESSAS COISAS, É AMOR GRATUITO PUROOOO! - Outro dia, no banheiro feminino, todas estavam se arrumando, quando uma que estava tomando banho, começou a agradecer pela semana, e todas do lado de fora deram amém, e nos abraçamos, FOI MUITO LINDÃO GENTEEEE! Fico emocionada. Por tudo. Por está desconstruindo algo dentro de mim, por ter me permitido e ouvido minha terapeuta, por está tendo dias diferentes depois de minhas manhãs na academia, isso tem me deixado felizinha e trabalhado meu humor. "Mas Lara, você vai virar panicat?" Calma, jovens, eu nem consigo fazer 15 min no elíptico, imagina fazer 3 séries de agachamento. Eu só quero me diverti mesmo, e deixar meu corpinho como está. 


4° Nota: O jogo do Eu 

Não sei se vocês já ouviram falar do livro O Jogo do Eu? NAAAAAAAAAÃAAAAOOOO??? Parem tudo que estão fazendo e vão comprar agora! O livro é fantástico. Passei por um processo de autoconhecimento em forma de 53 cartas - E eu fiz todas com louvor -. Em cada carta, tem um exercício para fazer e você só pode pegar uma nova carta, quando completar o exercício da carta anterior - Pretendo colocar no Instagram uma carta por dia quando tiver um celular digno -
Nas cartas vem exercícios tipo assim: "Dance! Pare um momento do seu dia e dance do jeito que você quiser", "Observe a natureza, sente em um lugar e só sinta a natureza", "Brinque com uma criança, tente aprender com ela", "Faça um autoretrato e perceba como você se ver", "Doe! Der algo para alguém que foi seu e você não usa mais" ou até mesmo "Dê um beijo apaixonado em alguém!"... Cada carta dessa me agregou tanto e me fez passar por sensações já esquecidas - Como na carta "Lembre de alguém que já faleceu com carinho" chorei de soluçar lembrando de minha avó ou na carta "Ligue para alguém que você não fala por pelo menos 1 ano" que liguei para Pedestal, que já não via e falava há 2 anos, matamos a saudade e ficamos uma hora no telefone -, eu aprendi, senti, vivi, me diverti - Como na carta "Cante uma música do começo ao fim" que cantei 'Oração' no meio da operação ou com a carta "Comprimente as pessoas de forma diferente" que peguei nos peitos da minha Gestora saltando um sonoro BOM DIIIIAAA! -. A delícia é se permitir em se perceber, as pessoas não se conhecem, não se percebem, elas mesmo não sabem nada sobre si, não quero ser essa pessoa, quero saber até onde eu posso ir, e quero descobrir que sempre posso ir além. Beijo de luz, tô muito do bem ultimamente =**

terça-feira, 24 de julho de 2018

até o dia que fui morar sozinha

NIKI, EU MORO SOZINHA AGORA. Não, minto, agora, agora mesmo, eu moro com a Mary, mas uns 10 dias atrás eu estava morando sozinha e... É DESESPERADOR! Morar sozinha é uma PALHAÇADA. Você ver neguinho o tempo todo fazendo textão sobre as delícias de morar sozinho e eu só consigo pensar "Rico! Que come fora, que tem empregada, que é no problem..."
Na minha vida real, a casa não se arruma sozinha, eu não tenho mamãe para ajudar nos afazeres, os pratos não se lavam. VOCÊ TEM QUE COZINHAR PARA COMER! - Gente, odeio cozinhar, tá?! - E eu só consigo pensar em minha mãe.. QUEM NÃO GOSTA DA COMIDA DE MÃE? Do sabor, do carinho, do cuidado.. Morar com mãe é maravilhoso! Mas, né, escolhi a sociedade, entrei na noía dos textões, quis mesmo viver a adrenalina da vida e fazer O CORRE. Claro que eu preciso dizer que rola vários GAME OVER, a vida não te considera em nada, você vira aquela pessoa que vibra quando compra o assento do vaso sanitário, e chora quando a maquina de lavar chega. E sendo mulher, mãe solteira, suburbana - estatística pura -, tendo que me virar com as contas do mês, I'M SORRY, EU SINTO FALTA DE MINHA MÃE SIM. Não sou boa de demonstrar isso muito bem, mas é a verdade.
A vida adulta é um corre puro, lugar que filho chora é mãe não ver, altamente agressiva. E se você não souber jogar, vai acabar fazendo o que fiz em um dia desses de picos e surras da vida, apareci, despretensiosamente, no meu antigo quarto e chorei de soluçar. Naquele dia eu entendi que eu também odiava ficar em casa, até o dia que fui morar sozinha.

domingo, 22 de julho de 2018

Harbor - Nova Temporada

Hoje

Eu estava de novo no mar. Diferente das outras vezes, eu sentir o sal invadi os meus pulmões, e, mesmo que quisesse, não conseguiria sobreviver a isso.


Na temporada anterior..
Limite - Seasion Finale 

Olhar aquele buraco cheio de lama há meses não me fazia mais bem. I'm loser. Mesmo sobrevivendo, eu perdi. E essa conclusão não é sobre O Sabotador, ou sobre A Vida, ou sobre O Tempo, é sobre TUDO
Eu demoli a única referência de lar que eu tinha. Não tinha mais a ver com o quarto dos horrores, ou do calafrio que aquele corredor me trazia, tinha a ver com amarras, mudanças, choices.. 
E lá fui eu, levantei minha bunda da cadeira e demoli, sem pensar 2x, aquela casa. Jurei para mim mesma que construiria algo solido ali, mas, 9 meses se passaram, e eu só consigo sentir o cheiro da lama. Eu não tenho forças para construir nada, eu brinquei de fugir de mim para tentar me encontrar e, olha só, eu não gostei do que encontrei. 


Eu sou uma leprosa. Cheia de feridas abertas, que toma banho de lama para deixar os vermes entrar nas feridas e se lambuzar nelas. Eu sou feia pra caralho. Imunda e sem valor nenhum. "É o seu Id" disse a Musa. E olha-la, me fez lembrar de como conseguir separar os polos entre o bem e o mal, o quanto me aprofundei no Id e transformei-a no melhor de mim. Muito mais bonita, muito mais limpa, muito mais strong
E após me ver tantas vezes naquela lama, sair desprentensiosamente, liguei o rádio, e dele ouvir uma voz que dizia que veio me salvar, que eu precisava sair dali, precisava me mudar, ir para o interior, viver perto da Musa, curar as feridas, essas, que só eu sei, disse que ali sempre será o meu lar, mesmo quando não parecesse ser, eu só não estava pronta para construir nada ali, não agora, que eu só precisava sair dali e ir descobrir o que eu sei. 

8 dias atrás 
(Temporada Atual) 

Arrumei minhas coisas e deixei aquelas terras sem olhar pra trás. "Limite" tinha escrito em uma placa sinalizando que eu estava saindo das minhas terras. Eu já fiz esse tipo de jornada, já visitei o inferno, atravessei desertos e até no purgatório já passei e eu não vou mais passar em nenhum desses lugares. A diferença das outras vezes para agora e que eu sempre voltava, sempre alguma coisa me levava ao ponto de partida ou naquele lugar mal resolvido. NO, IS OVER! Nessa nova jornada, eu não aceito mais, não quero remoer o passado ou achar que mereço reviver essas coisas, NO, IS OVER! Hoje eu quero distancia de tudo que me leve de volta, quero mesmo resolver as coisas aqui dentro, quero construir uma nova casa, quero viver perto de mim. 

Enquanto caminhava na estrada de terra, observava o dia ensolarado, refletia em minhas escolhas e caminhos até aqui, e agradeci pelas experiencias e conhecimentos que eram meus e de mais ninguém. 
O dia mudou, o céu ficou nublado e um vento forte fez as árvores balançarem. "Qual é?! Vai chover?" Pensei. O vento ficou mais forte e gélido, o céu não estava mais azul, ele estava completamente escuro. "Eu sei o que é isso!" e logo depois de pensar, senti um calafrio, que começou dos meus pés até os fios do meu cabelo, quando olhei para frente um feixe de luz foi crescendo e se abriu, de lá saiu o último ser que eu queria ver na terra.  

S: Olha só, parece que alguém cresceu. - Disse O Sabotador me observando - Com esse mesmo olhar.. Ele não muda.. É igual de quando você nasceu... 
L: O que você faz aqui? O que quer comigo? - Disse olhando ao redor e buscando uma saída. 
S: Lara, como foi está na lama? Como ver aquela casa ser demolida diante dos seus olhos? Como é ser uma perdedora? - Nesse momento senti o sarcasmo da sua voz entrar no meu peito. 
L: Eu escolhi isso tudo, eu quis demoli a casa, quis começar do zero.. - Disse sentindo meu coração gela. 
S: Você está tão cega que não ver. Ele te abandonou, Lara. Ele não estava com você durante esse processo. - Disse O Sabotador chegando mais perto - Ele deixou o caminho aberto para muitas coisas, principalmente, para você se perder. 
L: Sério?! Essa é sua melhor jogada? Me colocar contra O Cara da Roda Gigante? Fazer eu acreditar que ele me abandonou? Sério mesmo?! Você já foi melhor... - Disse, sentindo o meu sangue ficar frio e percorrer o meu corpo. 
S: Não, eu vou te mostrar.. - Ele levantou a mão direita e fiquei mais fria, dei um passo para trás e um vapor frio começou a sair da minha boca, minha voz não saia mais - Eu sinto seu coração, Lara, mesmo tendo rumores que só ele sonda os corações, eu cheguei até o seu, você está fraca, sem relação alguma com ele, está perdida! - Eu cai, tentei levantar, mas não conseguir. Meus olhos começaram a fechar e, cada vez que tentava abrir, escamas cobriam eles. - Você não tem a força que tinha, nem o poder, todos te abandonaram e o que restou?! A sua alma que será minh... - Ouvi um barulho e O Sabotador caiu do meu lado, as escamas começaram a sumir dos meus olhos. - Como ousa? - O Sabotador gritou para alguém que não conseguia enxergar - Sua puta! O que faz aqui? - O Sabotador gritou mais uma vez. 
D: Ela não está sozinha, nunca vai está. - Ouvi a voz reconhecível de uma mulher. A voz era a mesma, mas sem a energia de sempre - Todos temos acordos, pode, por favor, cumprir o seu? - Disse a mulher. 
L: Você! Eu sei quem você é, Meu Deus! Desiré? O que você faz aqui? - Falei apontando e tirando o resto de escamas dos meus olhos. 
D: Não me pergunte como eu cheguei até aqui, vá embora daqui! - Desiré gritou enquanto O Sabotador levantava. 
L: Não! O quê?! O que está acontecendo? - Disse chegando perto de Desiré e a observando. Ela estava tão linda, ela era uma das minhas melhores amigas, a única que conseguia transitar em todos os mundos, pois tinha o poder de entrar na cabeça de todo ser masculino. Corri e fui abraça-la - Que saudades sua, o que é isso na sua mão? - Falei apontando para um cetro banhado de ouro. 
D: É de um Príncipe das Trevas, um que conheci - Ela falou revirando os olhos - Ouvir eles falarem que O Sabotador estava aqui para te levar... 
S: E eu vou levar! - O Sabotador falou tonto e vindo na nossa direção - Desiré, você é uma vadia, sabe que você também vem comigo, não é? 
D: Tome! - Desiré me deu um frasco - Beba! Pense em um lugar, beba, que você chegara lá, só isso. - Desiré falou abrindo o frasco e fechando meus olhos. 
L: O que é isso? - Falei apontando para o frasco. O Sabotador jogou algum feitiço em nós, mas ela fez desviar com o cetro 
D: Você não é bruxa que consegue pensar em um lugar e aparatar, para se teletransporta precisa de uma ajudinha... - Desiré falou me fazendo beber o liquido do frasco - Pense em um lugar, rápido... - Ela colocou as mãos nos meus olhos e já não a senti mais. 

Ao abrir meus olhos estava em um lugar que sabia exatamente onde era, mas não fazia ideia o porquê de minha mente me trazer aqui. Eu vi o mar, a areia da praia e aquele Porto, que havia escolhido abandonar. 


 Continua...

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Closer to Heaven - Season Finale


Eu jurava que, em "Closer to Heaven", eu me tornaria evangélica. Não sei se pelo nome da temporada, ou até mesmo pela relação que estava vivendo com O Cara da Roda Gigante, ou sei lá, por ter sublimado mesmo que estaria em outros projetos e isso me levaria a me aproximar de Deus, não sei, não faço ideia do motivo dessa ideia, mas sei que foi silogismo e whatever, hoje não importa mais. 
Closer to Heaven não tem nada a ver com O Cara da Roda Gigante, não tem a ver com os deuses que vermos por aí, fala de um único Deus, um Deus que você se relaciona todos os dias, que você não sabe que ele existe, mas ele está aí, bem aí dentro. 
Eu passei tanto tempo sendo porto, cuidando de gente, fazendo o que fui programada para fazer, o que aprendi fazer, o que amo fazer: Mergulhar nas pessoas. Ter aquele cuidado de ver cada um individualmente, sem se satisfazer com o raso, eu sempre quis mais, quis mergulhar, conhece-las no profundo, no intimo, andar por terras que ninguém passeia e viver sua historia. Motivar o seu Deus, te mostrar que ele existe e te ensinar a acreditar nele... E fui seguindo. Mergulhando em muitas pessoas, me reconhecendo em outras, escutando mais do que se falava, fazendo moradas em outros lugares, construindo pontes e invadindo corações.
Em Closer to Heaven, eu me vi em frente a um oceano, frio, negro. Sua água não era transparente, e, tampouco, vistosas, e, diferente de tudo que já vivi, tive receio, medo daquele oceano. Me arrepiava todas as vezes que colocava a ponta dos pés. Esse oceano eu não tinha curiosidade e nem me animava em mergulhar. Nunca havia passado por isso. 
Todos os dias, parava na frende dele. Olhava o horizonte, e parada com os pés na água, olhava para o fundo e não conseguia ver nada, e tirava os pés mais uma vez, e sentia o frio... Aquele oceano não me atraía. 
Enquanto isso, comecei a terapia, mudei de cargo na empresa, perdi todas as muletas e fui aprendendo a ter força. Aprendi a compatilhar coisas com uma estranha. Percebi, logo de cara, o quanto ela podia me ajudar e me permiti. Falei de meu pai, do Zé, do novo amor que me tiraria do prumo, fui me percebendo e me descobrindo, e adivinha só, estava lá eu de novo, de frente para o oceano, e foi nesse momento, quando vi que aquele era o meu oceano, que eu nunca, JAMAIS, me dei o trabalho de mergulhar, entendi que "Closer to Heaven" tratavasse do meu autoconhecimento, da minha aceitação e que, enquanto eu ficasse no raso da minha vida, como fiz nos últimos 30 anos, eu não saberia quem eu era, quem poderia ser ou onde chegaria. Foi quando abrir meus olhos, entrei na aguá gelada do meu oceano, esperei chegar água até meus ombros, e, mesmo sem enxergar nada, mesmo com muito receio, mergulhei e comecei a nadar. 
O maior choque é que, mesmo com toda aquela água preta, que não me deixava ver o fundo do mar, ao mergulhar, descobri que lá em baixo o mar é limpo e tão lindo, cheio de peixes incríveis e extraordinário, cheio de amor, felicidade e paz, que me questionei o porquê da água tão suja e ouvir uma voz me dizer que "era como você se via.." 
Fiquei encantada de mergulhar em mim, em descobri que existe algo bonito aqui dentro, e como eu hoje percebo aqueles olhos de admiração que passei anos bloqueado, sem nunca ter notado. Vi um filme acontecer naquele oceano, e no fim dos corais, vi uma coisa inusitada, a casa da minha infancia, aquela que minha avó morou e que passei maior parte do tempo enquanto meus pais trabalhavam. 
Me aproximei da casa, a porta estava entreaberta, ao abri-la, vi as cartas no chão, entrei e vi a bagunça no lugar. A casa estava desarrumada e com pilhas de coisas espalhadas em todos os lugares. Vi minhas agendas, de todos os anos da minha vida até ali, em cima da mesa, cheguei mais perto e vi uma agenda que nunca tinha visto e com aparencia de nova, ao folhea-la vi que só tinha a seguinte frase na primeira página: 

Cleaning the house.


 Na Próxima Temporada de Larissa Diaries... 

PS: Dei, dei mesmo e daria de novo.
Google Analytics Alternative